A tendência do Open Innovation e como implementá-lo


O conceito de open innovation, ou inovação aberta em português brasileiro, é o processo de inovação em que indústrias e organizações promovem ideias, pensamentos, processos e pesquisas abertos com o objetivo de melhorar o desenvolvimento de seus produtos, de prover melhores serviços para seus clientes, de aumentar a eficiência e de reforçar o valor agregado.


De acordo com dados da 100 Open Startups, essa iniciativa cresceu quase 20 vezes nos últimos cinco anos. As empresas com algum tipo de relacionamento de inovação aberta com as empresas de tecnologia passaram de 82, em 2016, para 1.635 em 2020. Esses números representam que 58% das empresas que buscam startups para inovar encontraram ao menos uma startup parceira. Em 2016, esse percentual foi de 24%.

Existem dois caminhos possíveis para a inovação aberta. A primeira é que a empresa integra o capital externo inovador ao projeto em desenvolvimento; a segunda é o contrário, ou seja, quando as ideias e tecnologias desenvolvidas internamente são fornecidas à empresa parceira.


Existem algumas ações que contribuem para a implantação da open innovation em uma empresa. Um exemplo são os hackathons, verdadeiras maratonas para a inovação que envolvem a formação de times multidisciplinares, programação, brainstorming e colaboração.


Crowdsourcing e programas de ideias também são iniciativas importantes para a implantação da inovação aberta. Podem ser desenvolvidas internamente ou de forma ampla para toda a rede de conexões do negócio, ou seja, clientes, colaboradores, fornecedores e até mesmo entidades públicas, e podem lançar ao mercado um tema ou um desafio para colher insights e ideias inovadoras que podem ser usadas em sua solução.


Os relacionamentos comerciais juntamente com a cocriação entram também como contribuintes para a implantação, sendo iniciados na obtenção ou na injeção de investimento em projetos inovadores, além de se criar ou de se participar de projetos de aceleração e de se buscar parcerias com outras empresas e startups que estão desenvolvendo tecnologias e conceitos complementares ao negócio.


Danilo Guedes, Presidente do ABC Cargas

0 comentário