A tendência sustentável no pós-COVID


Durante a pandemia, vimos a linha tênue entre diferentes dificuldades no enfrentamento ao vírus e um grande equilíbrio dos ecossistemas naturais com o isolamento social. Além disso, segundo dados do site Polen, 85% dos brasileiros desejam ver a proteção do meio ambiente como prioridade na retomada.


A Amazônia tem a maior quantidade de microorganismos do mundo, e o modo como impactamos esse ambiente poderia desencadear um surto global, como ocorreu anteriormente no caso da leishmaniose. Outra pesquisa realizada pelo Fórum Econômico Mundial, conta que 31% dos 12.012 surtos de doenças em todo mundo entre os anos de 1980 e 2013 estão ligados diretamente a ambientes que foram devastados.


Dentre esses pontos, o período no qual vivemos ressaltou uma realidade: a sustentabilidade empresarial não é uma tendência, e sim, uma necessidade. Precisamos como empresa, adotar esses métodos, se queremos de fato contribuir para uma sociedade mais sustentável.

Em nosso meio, uma estratégia é fundamental para esse elo: a logística reversa, responsável pela coleta e reciclagem dos produtos e seus resíduos após o consumo do cliente final, sendo uma obrigação legal para as empresas, e essencial para a redução da poluição e seus respectivos impactos na saúde humana e no meio ambiente.


Precisamos nos manter sempre atualizados sobre este assunto. Devemos tratá-lo como uma causa única e benéfica para todos os envolvidos. Assim, seremos empresas e pessoas mais conscientes com o que acontece ao nosso redor.


Lucas Scapini, Diretor Comercial do Grupo Scapini

0 comentário