China em cenário de liderança mundial


Recentemente, em um dos meus momentos diários de pesquisa, me deparei com uma importante matéria: China se prepara para assumir a liderança mundial. Como já sabemos, o país chinês é uma das maiores potências do mundo e se torna referência para diversos fatores e, principalmente, para a economia internacional.


Em outubro passado, ao aprovar o 14º Plano Quinquenal, o governo definiu as três prioridades para avançar a tecnologia no período entre 2021 e 2025: inovação tecnológica, autossuficiência econômica e meio ambiente mais limpo. Foi confirmada também uma estratégia de pesquisa para os próximos dez anos e um aumento de 10,6% nos investimentos em estudo de descoberta.


Além disso, o projeto do presidente chinês Xi Jinping é dobrar o PIB (Produto Interno Bruto) e a renda per capita da China até 2035, o que já vem apresentando crescimento enquanto seus concorrentes sofreram queda em 2020, em decorrência da pandemia. Com isso, entre 2027 e 2028, o país ultrapassará os EUA como a maior economia do mundo, antecipando a previsão anterior, que era para 2033.


Vimos como o aumento das compras on-line exaltaram o mercado eletrônico, que foi muito utilizado pela população durante o isolamento social no ano passado. Desse modo, eu acredito que o “boom” do e-commerce apenas ressalta o que já sabíamos: a China está preparada para fornecer para todo o globo, com preço baixo, qualidade e, o melhor de tudo, em grande escala.


A economia do país está há anos se preparando para alcançar esses resultados satisfatórios e, neste momento de recessão, eles se firmaram ainda mais no mercado, apresentando, inclusive, esse crescimento no seu PIB. Estão comprovando o grande preparo para se tornarem, em breve, líderes mundiais.


Pensando em relação ao nosso país, não vejo que a China, se tornando a principal liderança mundial, possa afetar o Brasil, pelo contrário, entendo que a relação entre os países se fortalecerá. Em 2020, o comércio entre essas nações, de maneira inédita, alcançou US$ 100 bilhões. A China se tornou o maior comprador de produtos brasileiros e exerce forte influência econômica em muitos países latinos-americanos.


Luiz Gustavo Nery, Diretor Comercial no Grupo Rodonery

0 comentário
</