Como o TRC se beneficiará da nova Lei Geral de Proteção de Dados


Produzimos e consumimos dados a todo momento durante as nossas rotinas de trabalho e vidas pessoais. Na maioria das vezes, para não dizer sempre, tendemos a ignorar o quão importante elas são, o potencial econômico e político que possuem para ditar as nossas tendências de consumo e preferências políticas.


Sempre preferi a comunicação presencial, pois prezo pelo contato direto e humano com os clientes e os colaboradores da Rodovico Transportes. Entretanto, principalmente nos últimos anos, me tornei um entusiasta e estudioso do uso de tecnologias nas empresas.

Quem me acompanha pelo Linkedin, ou pelas rodas de conversa pelo Brasil, sabe o quanto gosto de falar sobre o tema, mas, mesmo um entusiasta como eu, reconhece a necessidade de olhar essas mudanças com racionalidade.


Até pouco tempo atrás, a Constituição Federal e o Código de Defesa do Consumidor incluíam o tema, mas de forma simplificada e abrangente, necessitando de uma lei que unificasse os direitos de privacidade.Sendo assim, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que vale no Brasil desde o início de agosto, representa um avanço na maneira como enxergamos a segurança dos nossos clientes e consumidores.

Mesmo que a sua implementação traga custos adicionais às empresas, a LGPD aproxima as instituições privadas do consumidor, que cada vez mais prioriza os serviços daqueles que demonstram preocupação com o bem-estar deles.


E quanto maior o volume de dados acumulados, maiores serão as punições aos que não seguirem à risca as demandas e as fiscalizações do governo. Elas vão desde a aplicação de multas até o registro de ações judiciais pelas empresas que tiverem suas informações vazadas ou utilizadas sem consentimento.


No caso das transportadoras, lidamos diariamente com a coleta de nomes e arquivos confidenciais para o registro dos clientes, dos motoristas profissionais e das distribuidoras. Antes do surgimento da LGPD, a tendência era acumularmos a maior quantidade possível de conteúdo para nos auxiliar no nosso serviço

Contudo, agora, precisamos especificar, saber e pedir a permissão de qualquer informação utilizada, o que, de certa forma, incentiva positivamente a simplificar o processo interno das transportadoras.


Desde que os debates a respeito da prorrogação, ou não, da LGPD, começaram em 2020, organizei workshops com a participação do nosso corpo jurídico e de TI. Atualmente, procedemos com essas reuniões e planejamos uma forma de, em breve, iniciar um programa de treinamento com todos os colaboradores.

Também estenderemos a capacitação aos nossos motoristas para que eles também estejam conscientes de onde estão as suas informações pessoais.


Felizmente, pelo fato de estarmos integrados às principais inovações do momento, já instalamos ferramentas que organizam o encontro das informações dos envolvidos no transporte, como o Big Data e os aplicativos de frete (Tmov).


A segurança no transporte precisa ser discutida, e quanto mais estivermos atualizados das nossas obrigações com os órgãos públicos, melhor será a vida dos brasileiro. Faço a minha parte nesse processo e fico feliz de saber que, na Rodovico, estamos preparados para o que acontecer e com o que há de moderno no mercado.


Diego Nazari, Diretor de desenvolvimento de negócios

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo