Projeto de AGVs e sua importância para o crescimento da Flash Courier e Moove+


Como já foi citado em artigos anteriores, investimos, no início de 2020, um valor significativo em uma profunda estratégia de expansão, inovação e automação logística da empresa. Esse projeto contemplou a aquisição de 220 AGVs (veículos guiados automatizados), duas esteiras, sendo uma delas uma esteira cross belt de 100 saídas, com capacidade três vezes maior que o equipamento em uso atualmente. Devido a pandemia e aos desafios que ela criou, a instalação desse equipamento sofreu uma série de atrasos e estará finalizada no início de 2021.


Como é de se esperar, estamos todos ansiosos pelos impactos positivos que essa tecnologia trará para a Flash Courier e Moove+. Para termos uma ideia, atualmente, em apenas um determinado galpão onde trabalham 35 pessoas, a capacidade de roteirização, em média, é de 6 mil pacotes por hora. Com os robôs e a esteira, esse número quase triplica, chegando a 17 mil pacotes por hora.


Para o desenvolvimento deste artigo, convidei Ricardo Sousa, supervisor de projetos da Flash Courier e que, assim como eu, tem participado de forma ativa na estruturação e desenvolvimento deste projeto.


Além de aumentar a capacidade de produção, os robôs nos darão a oportunidade de operar um equipamento com um número de destinos muito maior. “Isso seria muito difícil de se atingir com outras tecnologias que estávamos procurando antes de encontrarmos e desenharmos esse projeto”, comenta Ricardo.


A expectativa é alta pela magnitude do projeto, acreditamos que uma vez ativada, nossa operação será uma das mais automatizadas e robustas da América Latina, representando uma disrupção significativa para o setor como um todo. Segundo Ricardo, “depois de instalado, o projeto vai aumentar substancialmente nossa capacidade produtiva - uma vez que a esteira crossbelt produz, sozinha, mais do que a soma de todos os nossos equipamentos atuais e a eficiência do nosso trabalho. Com aproximadamente 1000 destinos de separação, poderemos oferecer aos nossos parceiros, cargas separadas de forma mais inteligente, aumentando a eficiência de toda a nossa cadeia produtiva”.


Os AGVs nos trarão otimização no tempo de produção, possibilitando a indução de mercadorias de diferentes clientes, tamanhos, prazos e potencializando a quantidade de roteiros e separações.


Além desta tecnologia, possuímos uma série de processos tecnológicos e continuamos investindo em novas automações que garantam o sucesso da nossa operação. “Estamos começando a trabalhar com bots para atendimento de rastreio das entregas, temos alguns desenvolvimentos em RPA para automação de rotinas e um projeto de desenvolvimento de um AGV "artesanal" em parceria com a Fatec de Sorocaba, cujo objetivo é movimentar parte da nossa carga já separada e dentro do armazém” acrescenta o supervisor.


A Flash Courier acredita e busca sempre tecnologias e processos que otimizem os resultados e reduzam os custos. Por isso, possuímos uma série de processos tecnológicos na empresa e continuaremos tendo essa vertente em nosso DNA. Sem essa visão, não teríamos o porte e a capacidade de empresa que temos atualmente.


Guilherme Juliani, CEO da Flash Courier

0 comentário