Transporte x Coronavírus: um panorama em tempos de crise



O Transporte Rodoviário é um dos principais fatores na economia mundial, no cenário brasileiro, e também, é responsável pela circulação de mercadorias e abastecimento da população em geral. Em situações extremas de crise como catástrofes e pandemias com vemos atualmente com a chegada do Coronavírus (COVID-19), espera-se que apesar do gerenciamento de risco e planos de contingência, ocorram algumas baixas, prejuízos e até mesmo, paralisações nos fluxos de alguns setores.

Buscando um comparativo com países onde a crise se iniciou prematuramente como nos Estados Unidos e Europa, podemos constatar alguns fatores interessantes para aplicarmos em breve no nosso país. Segundo a base de dados da empresa americana DAT Trendlines, a demanda por transportes para diferentes tipos de caminhões nos Estados Unidos subiu abruptamente, chegando a uma alta de até 30% para alguns tipos de transporte devido a tendência das pessoas em estocar produtos neste período da Pandemia. Normalmente, fevereiro e março são épocas de baixa demanda para caminhões, as quais voltam a subir na época da safra de frutas e vegetais vindo do México. Contudo, na última semana, houveram aumentos na casa dos 33,2%, apesar da ausência de alteração na atividade.

Já na Europa, ocorreram cortes nas taxas de juros para estabilizar a economia, visto que as cadeias de suprimento foram de certa forma interrompidas pelas quarentenas e assim, ocasionando desabastecimentos nas lojas. No cenário Europeu, atualmente, nota-se também uma demanda alta por veículos de carga, visto que muitos caminhões ficaram ilhados em outros países em virtude do fechamento de várias fronteiras que antes tinham livre circulação. Com isso, a oferta de veículos dentro dos países pelas empresas foi bastante reduzida.


Porém, algumas empresas vêm se adaptando a atual situação. A Amazon.com por exemplo, iniciou a contratação de mais de 100.000 funcionários temporários, para o abastecimento de sua ampla máquina de comércio eletrônico e está aumentando o salário de todos os funcionários em centros de distribuição, transporte, lojas e entregas nos EUA e Canadá em US $ 2 por hora até abril. Uma alternativa em tempos totalmente atípicos onde a prioridade está em comprar e receber produtos online.

O sinal agora é de alerta, cuidado e planejamento. Diante de uma crise tão potente para a economia mundial, ter um olhar voltado à sua empresa, traçar metas e olhar acima, é essencial. Quando superarmos a emergência, o mundo deverá retomar a normalidade e reconstruir sua economia com a mesma vontade e funcionalidade de antes. O transporte seguirá até onde for possível. Sempre pensando no bem-estar de todos, e seguindo as recomendações dos órgãos competentes. Vale lembrar que as empresas mais bem sucedidas em épocas de catástrofes e crises não são aquelas que entraram melhor na crise, mas sim aquelas que souberam se adaptar mais rápido e saíram mais fortalecidas após o final.


Marcos Teixeira, Diretor da Costa Teixeira Logistics

0 comentário