Por dentro da carga: papel e celulose


O mercado de celulose e papel é um dos pilares da indústria nacional, sendo sinônimo de altos investimentos, geração de empregos e de renda. Segundo levantamento da Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), as exportações do setor aumentaram 10,7% em 2018, atingindo 15,8 milhões de toneladas fabricadas. Projetos que visam à ampliação de plantios, de fábricas e novas unidades são da ordem de 14 bilhões até 2020. 

Apesar dos números promissores, muitos desafios envolvem o transporte desse tipo de carga. Desde o cultivo, corte e transporte da madeira bruta, até a entrega da celulose ou do papel acabado ao consumidor final, a logística do segmento requer cuidados indispensáveis.

Dentre os muitos cuidados, manter o compartimento de carga limpo, arejado e livre de contaminações, são um dos requisitos imprescindíveis. Além disso, as cargas de papel e celulose são muito perigosas por questões de peso e dimensões, e por isto requerem equipamentos de manuseio em perfeito estado de conservação e manutenção, procedimentos de segurança e gerenciamento de risco avançados, e motoristas bem treinados e capacitados, garantindo assim, a segurança e integridade da carga e dos profissionais envolvidos na operação.

No âmbito da problemática do setor, temos a presença de gargalos logísticos e custos elevados, encontrados principalmente no escoamento do produto nas rodovias, ferrovias e nos portos brasileiros, levando à necessidade de desenvolver novas rotas e utilizar equipamentos de maior performance que aumentem a capacidade de carga e consequentemente otimize o transporte. Com isso, creio que a principal saída seja o investimento em equipamentos de alta performance e implementos produzidos com novas tecnologias para reduzir o peso das composições, a fim de reduzir os custos operacionais.

Devemos cada vez mais, buscar alternativas para o aumento da qualidade e produtividade no transporte das cargas, utilizando soluções com maior tecnologia embarcada e processos mais ágeis em toda a cadeia.

Marcos Teixeira, Diretor da Costa Teixeira Logistics

0 comentário